Display de 60Hz e 120Hz para games. Qual a diferença?

Hoje vamos conversar um pouco sobre um recurso relativamente recente nos notebooks gamer: os displays que trazem taxas de atualização maiores. Até pouco tempo atrás um pouco raros no mercado, mesmo em monitores de desktop, telas com taxas de atualização de 120 Hz estão se tornando cada vez mais comuns, e os benefícios para os gamers, em especial, são ainda mais perceptíveis.

Muitos questionam se o olho humano é capaz de perceber essa diferença, já que é uma taxa de atualização consideravelmente maior do que, em teoria, somos capazes de perceber. Na prática, a percepção de framerates maiores funciona de uma forma mais sutil do que parece à primeira vista, e podemos entender como isso funciona através de filmes, como veremos adiante.

O olho humano percebe a diferença?

A Perfeição no Game. GeForce GTX série 10
Começando do começo, é interessante sabermos como o olho humano “entende” frequências maiores, e a forma mais simples de explicar isso é através de filmes. Com raríssimas exceções, quase todos os filmes são gravados com 24 frames por segundo, que é exatamente a quantidade de frames que o olho humano opera. Entre as exceções, temos o “O Hobbit”, que foi gravado com 48 frames por segundo, mudança que muitos viram como positiva.

Considerando que grande parte dos monitores e televisões trabalha com uma frequência de 60 Hz (ou seja, 60 frames por segundo), 120 Hz parece um exagero, correto? Afinal, um monitor “comum” ainda conseguiria exibir os 48 frames de um filme mais moderno sem grandes problemas, mas não isso que ocorre na prática.

Um dos grandes “segredos” por trás da alta qualidade dos filmes atuais é uma técnica chamada “upscaling”, que transforma os 24 frames por segundo originais do filme em 60, isso em tempo real. Isso ocorre de duas formas, sendo a mais comum repetir certos frames. Por quê? Pois isso resulta em uma sensação de maior fluidez na exibição do filme. Na maioria dos casos, funciona a cada bloco de 4 frames , conforme o esquema abaixo.

60hz_vs_120hz_vs_240hz

Padrão de repetição de blocos de 4 frames, criando uma suavidade maior na transição de imagens.

Outra técnica, muito mais sofisticada, é a interpolação de dois frames, criando um “frame intermediário” tomando como base os frames imediatamente anterior e superior, como mostrado na imagem abaixo:

motion_interpolation

Interpolação de movimento, criando um frame intermediário em tempo real

Ou seja, mesmo que o olho humano processe informações a 24 frames por segundo (ou 24 Hz), ele entende uma melhor sensação de fluidez, de continuidade da transição de imagens. Afinal, um filme é, basicamente, uma sequência estática de frames exibida em intervalos regulares e, mesmo superando a capacidade de frames que o olho humano consegue processar, o resultado dessa técnica é “visível” (com o perdão do trocadilho). Agora, o que tudo isso tem a ver com jogos?

Saindo dos 60 Hz para os 120 Hz

A quantidade de frames por segundo que uma certa configuração consegue processar varia conforme a sua complexidade. Mas, independentemente disso, a frequência de operação da tela é constante (com exceção, claro, da presença de tecnologias específicas, como o G-SYNC ou o FreeSync). Na prática, isso significa que, mesmo que você conte com uma configuração de alto nível e ela for capaz de alcançar framerates maiores, só 60 frames por segundo aparecerão na tela.

É aqui que telas com framerates maiores passam a fazer sentido, já que boa parte das configurações gamer mais atuais consegue rodar jogos em 1080p sem grandes problemas. Naturalmente, o salto de 60 para 120 Hz exige um trabalho proporcional correspondente por parte da configuração, já que passa a ser possível alcançar o dobro de frames por segundo do que a maioria dos monitores e telas de notebook.

Avell IRON FullRange G1843

Há uma série de modelos da Avell com displays de 120 Hz, como o FULLRANGE G1843 IRON acima.

Diferentemente do que acontece com os filmes, porém, os frames extras são reais, gerados pela GPU. Ou seja, não há interpolação de frames já existentes, criando quadros intermediários, o que passa uma sensação de fluidez muito maior. Isso é especialmente bem-vindo em jogos em primeira pessoa, como Battlefield e Far Cry, que se beneficiam mais dessa fluidez superior. Em alguns casos, pode até representar a diferença entre um dead e um kill.

De qualquer forma, porém, a frequência de atualização continua constante. Em outras palavras, se a configuração utilizada não for capaz de “cravar” 120 frames por segundo durante todo o jogo (recurso disponível nas placas de vídeo NVIDIA mais recentes, como a série Pascal), tecnologias de melhoramento continuam necessárias. Entre elas, o FXAA, MSAA, filtro anisotrópico e buffering, dependendo do suporte destes por parte do jogo.

A boa notícia é que fabricantes não instalam displays de 120 Hz em modelos que não sejam capazes de sustentar esse framerate tão alto. Ou seja, se uma máquina possui esse display, com certeza oferece uma configuração poderosa o suficiente para não deixar o usuário na mão, com a garantia de conseguir alcançar essa taxa de atualização na grande maioria dos títulos, em especial em telas 1080p.

Outro ponto é que, independentemente da tecnologia de tela utilizada, displays de 120 Hz usam tecnologias mais novas. Isso significa que, além da qualidade de imagem inerente de tecnologias mais novas, essas telas são mais modernas, normalmente trazendo um tempo de resposta menor (o que gira em torno de 8 milissegundos em displays de 60 Hz), algo que certamente beneficia os gamers.

Conclusão

Mesmo com toda a teoria por trás dos displays de resolução maior, é mais fácil entender a diferença funcionando na prática. Ao colocar dois modelos lado a lado, um com display de 60 Hz e outro com um display de 120 Hz, a diferença é clara como a luz do sol. É algo que, na ausência de uma palavra apropriada, não por ser “desvisto”, já que, como qualquer nova tecnologia claramente superior à anterior, é difícil ver a mais antiga como uma opção viável depois que nos acostumamos com a mais nova.

E, como dissemos, uma máquina que traga um display de 120 Hz conta não somente com uma qualidade geral de imagem superior, mas também com um hardware poderoso o suficiente para sustentar framerates tão altos. E acreditem: depois de experimentar um game mais recente em um display de 120 Hz, dificilmente você verá displays “normais” de 60 Hz.

Com informações: TheyDiffer, Reddit, The Tech Report

(Este conteúdo foi visitado 3.442 vez(es) | 7 visita(s) hoje)