Quais as melhorias na segunda geração de teclados mecânicos da Avell?

Diversos modelos de notebooks Avell contam com a segunda geração de teclados mecânicos e suas melhorias. Mas quais são elas? Nós já tratamos aqui no blog, sobre alguns aspectos gerais dos teclados mecânicos e seus diferenciais para os gamers, destacando suas vantagens técnicas sobre os modelos de membrana (partes 1 e 2).

Para que você entenda melhor sobre a segunda geração, separamos esse post em duas seções principais: uma sobre seus aspectos técnicos e outra sobre a experiência de uso. Confira a seguir tudo o que há de novo na segunda geração de teclados mecânicos da Avell.

Melhorias técnicas

Os aspectos técnicos da segunda geração de teclados mecânicos continua a trazer, naturalmente, os diferenciais específicos da tecnologia. Entre eles:

  • Durabilidade maior (até 50 milhões de cliques, contra um máximo de 10 milhões dos teclados de membrana);
  • LEDs RGB personalizados por tecla;
  • Teclas removíveis (facilitando a limpeza e a manutenção);
  • Anti-ghosting (N-Key Rollover);

E, mais importante ainda, vem com algumas características essenciais para o gamer profissional. Em primeiro lugar, uma menor força de atuação das teclas quando comparado aos teclados de membrana. Ou seja, é necessário menos pressão para acionar as teclas, um ponto importante na hora de executar uma rápida combinação delas, caso de jogos FPS e de corrida, por exemplo.

Principais diferenças entre o teclado mecânico de segunda geração comparado aos teclados de membrana.

Outro ponto importante é que agora as teclas são ativadas através de um sensor óptico, bastando um simples toque. Além da maior precisão em si, um quesito importante para quem  trabalha com textos, temos também uma taxa de transmissão maior quando comparado aos teclados mecânicos.

Acima temos o W1555, com teclado mecânico de segunda geração e GTX 1060 com 6 GB de memória RAM dedicada.

 

Isso se traduz também em um menor tempo de resposta de apenas 0,2 milissegundos, ou seja, a segunda geração de teclados mecânicos chega a ser até 100 vezes menor do que o teclado de membrana. Em outras palavras, podemos dizer que eles são mais responsivos por ordens de grandeza. Mas como esses dados técnicos se traduzem em usabilidade para o dia a dia?

Segunda geração de teclados mecânicos na prática

Podemos até deduzir a experiência de uso de um carro ao ler suas características técnicas, mas nada substitui a experiência de dirigi-lo. Podemos até entender os dados de um motor em uma ficha técnica, observando potência, torque e assim por diante. Mas são dados conceituais: eles dão apenas uma pista de como o carro se comportará. Na estrada a experiência conta muito mais!

Um dos principais diferenciais é o novo formato das teclas, permitindo maior agilidade e precisão para digitar e jogar.

Tecnologia testada e aprovada por nossos parceiros

Posto isso, disponibilizamos o G1513 FOX da Avell para nossos parceiros experimentarem por alguns dias. E quais foram suas impressões sobre a segunda geração de teclados mecânicos? A princípio, eles precisaram realmente pressionar as teclas para acreditarem que se tratava de um modelo mecânico, além é claro do feedback sonoro, que não deixou margem para dúvidas, um ponto inconfundível, difícil de não apreciar.

Acima temos o G1513 MX7, com o teclado de primeira geração. Já chegou para revolucionar, e suas características melhoradas e refinadas.

Outra característica muito apreciada foi a modificação do formato das teclas. Agora elas estão mais próximas e trazem chanfros mais aproximados, o que permite uma sensação precisa de quais teclas estão sendo pressionadas. No final, eles concordaram que há sim um período de adaptação, já que estavam acostumados com outra configuração de teclas. Mas a percepção de superioridade da segunda geração de teclados mecânicos é inquestionável.

Afinal, vale a pena investir em um notebook com a segunda geração de teclados mecânicos?

A resposta é sim, segundo a percepção após testarem o já mencionado G1513 FOX da Avell, onde foram observadas melhorias perceptíveis, se comparado não apenas ao teclado de membrana, mas também ao mecânico de primeira geração. Em outras palavras, a sensação de trabalhar ou jogar com essa segunda geração é difícil de ser esquecida. Assim como acontece com tecnologias como o G-SYNC, depois de experimentar, é difícil voltar a usar um teclado de membrana da mesma forma. Para escolher o melhor modelo para você, confira a página especial da Avell com os modelos disponíveis.

Já possui um notebook com o teclado mecânico de segunda geração da Avell? Conte para nós o que achou!